quarta-feira, 1 de setembro de 2010

PEDAGOGIA RELACIONAL E SEU PRESUPOSTO EPISTEMOLÓGICO: ações docente e discente conscientes - atuações complementares

Modelo em que o professor acredita que o aluno só aprenderá algo a partir da construção de seu conhecimento, seja por ações ou por pensamentos e tem como princípio fundamental, a reflexão. 
O docente tem a consciência que, para a construção de um novo conhecimento o aluno deve agir sob os recursos de ensino que o estimularão, o instigarão para sua ação, entendendo assim, que os recursos utilizados por ele deverão ser significativos para o aluno. 
Nessa concepção existe um equilíbrio nas atuações, não sendo suficiente ao aluno exercer atividades impostas pelo professor. O interesse, bem como a ação, são fundamentais para que ocorra a aprendizagem. 
O professor adepto da pedagogia relacional não acredita que um conhecimento, um conteúdo possa ser transferido ao aluno, através de estruturas hereditárias. Segundo Piaget,
"a interação sujeito objeto não ocorre passivamente, mas por uma atividade do sujeito que determina sua organização interior e a acomodação ao meio".
Crenças do professor defensor da pedagogia relacional: 

• o aluno só aprenderá e só construirá um novo conhecimento se agir sobre o material apresentado pelo professor; 
• os materiais apresentados pelo professor devem suscitar um problema que estimule o aluno a refletir e a investigar; 
• O conhecimento é resultante da interação do aluno com os demais elementos do meio ambiente; 
• o aluno e o professor tem um papel importante na construção do saber. 

BECKER (2001) - Tradução do modelo epistemológico em modelo pedagógico: 

 Professor e aluno, interagem na construção do conhecimento. 


O professor adepto da Pedagogia relacional não aceita concepções que defendam a idéia de que os sentidos são a fonte de todo o conhecimento, característica do empirismo, ou que, os humanos nasçam com o conhecimento já programado, característica do apriorismo, não acredita também que o aluno seja uma folha em branco, isto é, que o aluno frente a um novo conhecimento seja totalmente ignorante e que tenha que aprender tudo, começando da estaca zero, não importando o estágio de desenvolvimento mental em que se encontre. 
Em contrapartida, este professor acredita que o aluno só aprenderá alguma coisa, só construirá algum conhecimento novo se agir e problematizar a sua ação, e tem a convicção que cabe a ele apresentar aos alunos os recursos e materiais de ensino que os estimulem, suscitando problemas, que eles buscarão resolver a partir da ação e da reflexão, facilitada pelo questionamento docente e pelas atividades vivenciadas. 
No que se refere a disciplina, o professor defensor desse modelo, buscará superar a disciplina policialesca e a figura autoritária do professor que a representa, o que não significa ausência de regras, que devem ser estabelecidas com o objetivo de construir uma disciplina intelectual e possibilitar um ambiente fecundo de aprendizagem a partir do respeito para com todos os participantes no processo ensino-aprendizagem. 
A Pedagogia relacional tem como característica a construção do conhecimento, advindo daí o termo “CONSTRUTIVISMO.” 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BARRA, Vilma Maria Marcassa. Fundamentos Teóricos e Prática Educativa das Ciências Naturais. IESDE Brasil S.A., 2009. p. 37-41

BECKER, Fernando - Educação e Construção do Conhecimento. Disponível em: http://tudosobre.com/concursos/3/BECKER,%20Fernando%20-%20Educa%C3%A7ao%20e%20Construcao%20do%20Conhecimento.pdf (acesso em 21/08/2010) 

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda – MINIAURÉLIO Sec XXI Escolar: o minidicionário da língua portuguesa. 4.ed.rev.ampliada – Rio de Janeiro: NOVA FRONTEIRA, 2001

Um comentário:

  1. Parabéns !me ajudaram muito ,com esses resumos consegui entender melhor sobre o assunto .

    ResponderExcluir